Elvas sempre em primeiro

Todos os comentários que cheguem sem IP não serão publicados.

Domingo, 9 de Janeiro de 2011

Só boas notícias

Na passada Sexta-feira, por força de uma deslocação que tive que efectuar, fui acompanhando na rádio o debate na Assembleia da República e devo confessar que a minha satisfação foi em crescendo ao ouvir as intervenções do Sr. Primeiro-Ministro. Sucessivamente fomos sabendo que no passado ano de 2010 as despesas ficaram abaixo do previsto, que a receita ficaram acima do previsto e que o crescimento era o dobro do previsto, nas palavras do próprio Sr. Primeiro-Ministro:

- São boas notícias.

Fiquei à espera que o Sr. Primeiro-Ministro anunciasse que, na sequência desses bons resultados “acima do esperado”, os reformados com reformas de miséria iriam ser aumentados, ou no mínimo que as taxas moderadoras na saúde deixariam de se aplicar a quem tivesse rendimentos digamos abaixo dos mil euros, ou ainda que o transporte de doentes em ambulância continuava a ser garantido como até final do passado ano, mas a verdade é que sofri uma decepção, nada disto aconteceu, nem uma medida de alivio da situação dos portugueses mais desfavorecidos como consequência dos “bons resultados” obtidos.

Pergunto eu Sr. Primeiro-Ministro:

- São boas notícias para quem?

Seriam realmente boas notícias se, o anúncio destes “bons resultados” viesse acompanhado do correspondente alivio no peso da austeridade sobre os mais desfavorecidos, caso contrário não passam de boas notícias virtuais.

Sei que os Senhores da Economia, me irão responder:

- São “bons resultados” macroeconómicos que nos farão ganhar credibilidade junto dos mercados, e que o aproveitamento desses resultados para aliviar a pressão sobre os mais desfavorecidos daria um sinal de fraqueza no combate ao deficit e conduziria inevitavelmente a um aumento dos juros da dívida.

Poderá ser, mas a realidade é que quase em simultâneo com o anúncio destes “bons resultados” foi emitida dívida no mercado primário a juros recorde. Pergunto eu:

- Onde estão as boas notícias?

Certamente os Senhores da Política dirão:

- Pois é mas estes “bons resultados” não tivessem sido conseguidos, teríamos aí a intervenção do Fundo de Resgate Europeu e do Fundo Monetário Internacional e portanto a”boa notícia” foi que afastámos essa hipótese.

Mas a realidade é que as pressões sobre Portugal para que solicite a intervenção externa aumentam diariamente apesar dos “bons resultados” e vêm de todos os lados, começando pela nossa vizinha Espanha e acabando no poderoso eixo Franco-Alemão.  Quando em Abril o Fundo de Resgate Europeu e o Fundo Monetário Internacional intervieram na Grécia, fiquei desde logo convencido que a sua intervenção em Portugal era uma questão de tempo, nomeadamente porque tínhamos passado demasiado tempo a negar a crise em lugar de enfrentá-la. Quando foi aprovado o Orçamento Geral do Estado, longe de supor que essa seria a solução para o problema e que assim se evitaria a intervenção Fundo de Resgate Europeu e do Fundo Monetário Internacional, fiquei convencido que a mesma intervenção se estava adiada para o final do primeiro trimestre de 2011 quando fossem conhecidos os primeiros dados da execução orçamental. Erro meu! Neste momento, e comparando o que se pode ler na imprensa internacional sobre as pressões exercidas sobre Portugal e as declarações dos lideres da França e Alemanha com as que foram proferidas nos dias que antecederam a intervenção na Irlanda, muito me admiraria terminasse o mês de Janeiro sem que esteja decidida e em fase de execução a intervenção do Fundo de Resgate Europeu e do Fundo Monetário Internacional.

Pergunto eu:

Quais são as boas notícias?

Uma dúvida me assalta, se na realidade haverá “bons resultados” ou se estes são só virtuais?

É que de uma coisa estou certo, face ao que atrás fica escrito, as “boas notícias” essas sim são virtuais dignas de um Primeiro-Ministro que governa não o país real mas um país que só ele conhece quiçá na Second Life como aliás já referi aqui em Outubro de 2007.

 

António Venâncio

 


Tasca das amoreiras às 19:25
Link do post | Comentar | Ver comentários (8) | favorito
Quinta-feira, 9 de Dezembro de 2010

A origem do deficit e as soluções encontradas

Soubemos hoje, através de um estudo publicado, que se estima que a economia paralela representa 24.2% do PIB num valor absoluto de aproximadamente 40 000 milhões de euros.

Conhecidos estes valores, e fazendo algumas simples operações Matemáticas, podemos constatar o seguinte:

O PIB considerado para cálculo, resultante da economia oficial (aquela que é declarada ao fisco), é 165289,2562 milhões de euros aproximadamente.

O deficit previsto para o corrente ano, 7.3% do PIB será portanto aproximadamente 12066,1157 milhões de euros.

Se os valores da economia paralela fossem todos declarados, e contabilizados no orçamento teríamos um PIB de 165289,2562 + 400000 = 205289,2562 milhões de euros

Apenas por efeito da alteração da base de cálculo, com o mesmo valor absoluto do deficit, este representaria 5,88% do PIB em lugar dos 7.3%.

Considerando apenas o IVA desses 40000 milhões de euros (esqueçamos de momento outros impostos e demais contribuições que os mesmos pudessem gerar) resultaria numa receita para o Orçamento de Estado de 8400 milhões de euros, reduzindo o deficit para 3666,115702 milhões de euros ou seja 1,79% do PIB.

Atendendo a estes simples cálculos, podemos concluir que, se todos os cidadãos e empresas cumprissem integralmente as suas obrigações e declarassem a totalidade dos seus rendimentos teríamos um deficit inferior à mágica barreira dos 3% que nos é imposta pela EU.

Mas façamos ainda mis um pequeno exercício, neste caso não quantificado por falta de dados:

Quanto representariam estes 40000 milhões de euros em IRC?

Quanto representariam estes 40000 milhões de euros em IRS?

Quanto representariam estes 40000 milhões de euros em contribuições para a Segurança Social?

Quantos destes 40000 milhões representam rendimentos não declarados de “desempregados” ou de “beneficiários do rendimento social de inserção”?

Em suma quanto mais se arrecadaria por parte da receita e quanto se pouparia do lado da despesa se este valor fosse devidamente enquadrado em termos legais?

Quanto mais representaria esse diferencial em percentagem do PIB 0,5%, 0,7%, 1%?... Não temos neste estudo elementos para que possamos contabilizar.

Podemos no entanto garantir que é a economia paralela a culpada da existência de deficit excessivo, ou talvez memo da existência de deficit.

Então e que faz o nosso “estimado” Governo, apoiado pelos nossos “queridos” deputados dos dois maiores partidos? Levanta o sigilo bancário de uma vez por todas e dá um combate sem tréguas à economia paralela, cuja redução a metade nos deixaria numa posição confortável de ter um deficit abaixo dos 3%? Não, aumenta os impostos que a economia paralela continuará a não pagar, e que apenas vão penalizar os cidadãos cumpridores, aqueles que pagam pontualmente os seus impostos deixando de fora aqueles que não pagam e nunca pagaram sendo por esta via culpados da situação orçamental, reduz os salários dos funcionários públicos que, pelo simples facto de serem pagos pelo Estado, pagam integralmente os seus impostos, não fazendo parte da economia paralela. Procura agora desregular ainda mais as leis laborais para aqueles que trabalham com um contrato legal, em consequência do qual são remunerados e devidamente tributados, e deixa por tributar e quantas vezes a receber prestações sociais (subsidio de desemprego e rendimento social de inserção) aqueles que estão nessa tal economia paralela.

Com todas estas medidas, faz-se recair todo o peso do deficit, sobre o trabalhador por conta de outrem e o empresário cumpridor, quando a sua origem está no incumprimento.

Mas, caros leitores, quando não se quer mexer com certos interesses instalados, solução mais simples é pedir aos mesmos de sempre que paguem um pouco mais em vez de pedir aos outros que paguem o que é devido.

 

António Venâncio


Tasca das amoreiras às 22:49
Link do post | Comentar | Ver comentários (12) | favorito

Últimos copos

Só boas notícias

A origem do deficit e as ...

Adega

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


A procurar na adega

 

Blogs de Elvas

Tags

todas as tags

últ. comentários

Nest baluarte existio uma oficina de artesanato on...
JacintoSó agora tive oportunidade de lhe vir dizer...
VERGONHA? MAS ESSAS DUAS ALMAS PERDIDAS RONDÃO E E...
Uma cartita. Uma cartinha. Uma carta.Assim anda en...
Os piores lambe-botas são os partidos de Esquerda ...
O mundo está para os corruptos e caloteiros. Uma a...
O mundo é dos caloteiros . Uma autentica vergonha.
"Não se pode aceitar que um professor dê 20 erros ...
penso k será pior dizer k ñ tem pais!ou k ñ sabe k...

mais comentados

subscrever feeds

SAPO Blogs