Elvas sempre em primeiro

Todos os comentários que cheguem sem IP não serão publicados.
Sexta-feira, 14 de Março de 2008

Algo mais sobre avaliação de professores

 
A verdade é que, com toda esta guerra aberta no sistema, por medidas demagógicas e que em nada contribuem para a qualidade do ensino  esta desceu signitivamente, quer por falta de tempo para o professor trabalhar o importante, as suas aulas, quer pela quebra de autoridade introduzida pelo próprio Ministério, através de sucessivas declarações e de legislação como o estatuto do aluno. Agora, mostrando claramente o que é importante para o Ministério, vem a Senhora Ministra dizer que se pode flexibilizar a avaliação designadamente não fazendo observação de aulas este ano.
Qual é a missão fundamental do professor, não será leccionar as suas aulas?
Então se podemos suprimir a observação das aulas fica o quê?
É como se uma equipa de futebol dissesse de hoje em diante, para escolher um jogador, não vamos vê-lo jogar, basta que nos diga como joga e ver como fica na sala de imprensa no final do jogo.
Então porque permite o Ministério que se retire esse item este ano e obriga a manter outros como o sucesso(nota final) dos alunos?
Por várias razões:
1º Porque é um dos “pormenores” menos importantes do seu ponto de vista. Se assim não fosse, seria esta a base de toda a avaliação, e a observação de aulas seria efectuada por supervisores com formação especifica, capazes de uma avaliação formativa que contribuísse para um melhor desempenho dos professores.
2º Porque a ser implementado da forma apressada e não planeada como o Ministério o desenhou, daria origem à maior desorganização de sempre na Escola Pública, com os avaliadores a não poderem leccionar as aulas aos seus alunos, para ir assistir às aulas dos colegas, e os alunos a chegarem ao final do ano com grande parte do programa por leccionar, o que para o Ministério não seria grave não fora o facto de os pais daqueles que querem trabalhar e se esforçam por ter bons resultados alunos (os eternos prejudicados do sistema), começarem a sentir o quanto isto prejudicava os seus filho.
3º Porque o importante é a estatística, e não se pode abdicar de “obrigar” os professores a dar “boas notas”, sob a ameaça de não terem eles próprios “boas notas”, para que a estatística corra bem e se possa fazer a respectiva demagogia com os números.
4º Porque o importante não é a qualidade, como se quer apregoar, mas a quantidade, a prová-lo está o facto de sempre que se questiona a Ministra um Secretário do Estado ou o senhor Primeiro Ministro sobre o assunto educação apenas responderem com números.
 
E porque não fazê-lo bem?
 
1º Porque teria que recuar na legislação publicada, e em toda a demagogia já derramada sobre os professores
2º Porque implicaria a formação de supervisores, o que representaria um custo para o sistema.
3º Porque os supervisores teriam que ter o horário significativamente reduzido ou inclusivamente não leccionar, dependendo do número de avaliados, para poder dispor de tempo para assistir às aulas fazer os encontros de pré e pós observação de uma avaliação consciente e eficaz do ponto de vista da melhoria da qualidade o que teria custos elevados para o Ministério.
4º Porque teria que haver um supervisor por cada área disciplinar, para que pudesse com conhecimento de causa, avaliar quer pedagógica quer  cientificamente, e isto é incompatível com o desenho dos novos departamentos desenhado pelo Ministério par poupar dinheiro.
5º Porque, como toda a medida de fundo credível para a Educação teria que estar publicada no mínimo em Maio/Junho para ser aplicada no ano lectivo seguinte, por forma a permitir a organização e distribuição de serviço e os Horários por forma a compatibilizar a assistência  às aulas dos supervisores com as suas próprias aulas. E o Ministério publicou a legislação em Janeiro.
Por tudo isto, não é possível neste momento centrar a avaliação no que realmente importa, a qualidade das aulas avaliada por alguém com formação para tal.
Pela teimosia do governo, vamos continuar com uma farsa de avaliação cujos únicos objectivos são conseguir estatísticas demagógicas e impedir a progressão na carreira aos professores por forma discriminatória, e sem qualquer relação nem influência positiva na qualidade de ensino.
António Venâncio
 
 
 
Tags:

Tasca das amoreiras às 19:33
Link do post | Comentar | favorito
2 comentários:
De Anónimo a 16 de Março de 2008 às 10:51
Estamos fartos de ouvir a mesma cantilena, dizem querer a avaliação, mas na realidade, seja qual for o o modo, nada vos vai servir.
É mais fácil atingir o topo na carreira se, as progressões forem automáticas e assim, tinham a certeza que todos chegavam aos ordenados de 2500 euros.
Numa das entrevistas feitas nas manifestações uma colega professora falou a verdade, esta luta deveria ter sido feita pelos estatutos dos professores e dizia, agora já é tarde demais.
Para o que ganha a maioria dos portugueses é uma classe muito bem paga e esta luta é uma luta salarial empacotada de luta contra o método de avaliação porquê na realidade os senhores são contra as avaliações por dinheiro.
Publico o anuncio anónimo por motivos óbvios


De António Venâncio a 16 de Março de 2008 às 11:20
Está bem claro neste texto um modelo de avaliação que a mim me serve perfeitamente, e que, longe de ser uma progressão automática, assenta em princípios bem claros de competência quer dos avaliados, que o são pelo que realmente importa no seu trabalho, quer dos avaliadores que terão que ter formação adequada para que a avaliação seja clara e contribua para a melhoria do sistema. Por isso não vejo em que fundamenta o comentário de que nada serve.
Quanto às razões óbvias para deixar o comentário anónimo só vejo duas:
1º A consciência de não ter razão, pois quem tem razão não teme assinar.
2º A cobardia de quem não é Homem suficiente para assumir os seus actos


Comentar post

Últimos copos

Forte da Graça - 18

Forte da Graça - 17

Forte da Graça - 16

Forte da Graça - 15

Forte da Graça - 14

Forte da Graça - 13

Forte da Graça - 12

Forte da Graça - 11

Forte da Graça - 10

Forte da Graça - 9

Adega

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


A procurar na adega

 

Blogs de Elvas

Tags

todas as tags

últ. comentários

logo que poluiçao iriam causar duas ou tres embarc...
Muito interessante. Nessa documentação há document...
Nest baluarte existio uma oficina de artesanato on...
JacintoSó agora tive oportunidade de lhe vir dizer...
VERGONHA? MAS ESSAS DUAS ALMAS PERDIDAS RONDÃO E E...
Uma cartita. Uma cartinha. Uma carta.Assim anda en...
Os piores lambe-botas são os partidos de Esquerda ...
O mundo está para os corruptos e caloteiros. Uma a...
O mundo é dos caloteiros . Uma autentica vergonha.
"Não se pode aceitar que um professor dê 20 erros ...

mais comentados

101 comentários
89 comentários
86 comentários

subscrever feeds

SAPO Blogs