Elvas sempre em primeiro

Todos os comentários que cheguem sem IP não serão publicados.
Sexta-feira, 10 de Agosto de 2007

Verde ou nem tanto?...3ª parte

Energia Hídrica e Energia eólica

 

A energia hídrica é entre de entre as energias renováveis a que tem mais peso  na balança energética Nacional, representa no entanto apenas 9,673% do total de energia consumida, pelo que fica bem demonstrada a inexequibilidade de a curto prazo, resolver o problema energético pela via do aumento do número de barragens, Quantas barragens seriam necessárias?... Daqui a quantos anos estariam prontas?... Quanta energia necessitaríamos nessa altura?...

A energia eólica representa  2,134% do total da energia consumida em Portugal, é certamente uma das energias mais limpas, pese embora a alegação de “poluição visual” de alguns ecologistas radicais, tem ainda no nosso pais um elevado potencial de crescimento, mas poderá vir a ser o suficiente para substituir a energia produzida a partir de combustíveis fósseis?...

 

Biomassa, Biogás e Resíduos Sólidos Urbanos

 

Representam no seu conjunto menos de 1 % do consumo energético nacional, não podem ser consideradas energias limpas, pois todas elas recorrem à queima com a consequente emissão  CO 2 , no entanto, tal como o biodiesel produzido a partir dos óleos usados, são em si mesmas uma forma de reciclar e contribuem, ainda que modestamente  para aliviar a pressão sobre os combustíveis fósseis, não deveremos, do ponto de vista estritamente energético, incrementar ao máximo o seu aproveitamento?... Não terão uma margem de crescimento significativa?...  

 

Solares

 

Pertencendo ao sector das energias completamente limpas, têm uma expressão ainda insipiente, e grande potencial de crescimento, apenas limitado pela capacidade de produção dos equipamentos, e nalguns casos, pelo balanço financeiro ainda desfavorável, situação que poderá vir a alterar-se com o aumento da procura.

Neste sector, à duas situações nitidamente distintas: as solares térmicas e as fotovotaicas

 

Solares térmicas

 

Com custos de mercado já bastante aceitáveis, podem ser utilizadas com grandes vantagens, tanto no sector doméstico, para a produção de águas quentes sanitárias e aquecimento central, com consequente redução de consumos, directos ou indirectos de combustíveis fósseis, como no sector industrial onde poderão ser utilizadas com grande eficiência para produção de energia eléctrica pelo sistema de co-geração em centrais de ciclo combinado. Não será altura de dar o estado dar o “empurrãozinho” que falta, com aliás está a acontecer com outros países, e incentivar decisivamente o crescimento da sua utilização?...

 

Solares fotovoltaicas 

 

Os custos elevados de instalação e alguma dificuldade de ordem burocrático-legal, têm impedido o crescimento deste tipo de energia no nosso pais, onde existem vastas regiões com condições óptimas para o seu funcionamento, devido ao elevado número de horas de sol, podem ser utilizadas desde o sector doméstico, como produtor consumidor, como em grandes unidades exclusivamente dedicadas à produção e venda à distribuidora. Não são certamente a solução milagrosa, no entanto, podem constituir-se em contributo importante. Não podemos actuar pelo lado dos custos de instalação, que no entanto irão certamente reduzi-se a médio prazo com a vulgarização, como acontece aliás com qualquer tecnologia, mas não seria vantajoso suprimir os bloqueis legais, agilizar da burocracia, sistematizar o processo de licenciamento por forma a que uma candidatura elaborada dentro dos quesitos definidos na lei, tivesse aprovação em tempo oportuno?...

 

A energia nuclear

 

Sei que é por alguns encarada como a panaceia, capaz de resolver todas as crises, a fonte de energia inesgotável, capaz de rapidamente assegurar a independência energética e até dizem que “limpa”. Bom os meus conhecimentos ao nível do nuclear não me permitem defender ou atacar a referida tecnologia, no entanto permito-me colocar algumas perguntas:

Estamos dispostos a correr o risco de fuga radiactiva coma a verificada recentemente numa central no Japão, na sequência de um abalo telúrico?... Não estaremos a esquecer que o nosso país tem um historial sísmico?... E os resíduos do combustível nuclear, que fazemos com eles?...

  

Outras soluções

 

São frequentemente abordadas outras soluções como é o caso da pilha de hidrogénio, da energia das marés  e outra, que se enquadram no que referi na 1ª parte como estando num estado de desenvolvimento que, por enquanto, não permite a sua utilização em larga escala,  pelo que neste momento não podem ser consideradas quer com uma alternativa quer como um  contribuo às fontes tradicionais

 

Em jeito de conclusão

 

Penso que todos reconhecemos que temos um problema para resolver, e que o contributo de todos não será demais, quer do lado da redução dos consumos que está seguramente ao nosso alcance, quer do lado da procura e porque não implementação de soluções de produção?...

Não considero possível qualquer das alternativas aqui afloradas possa por si só ser a solução, mas penso que a  implementação conjunta de muitas delas, conseguirá atenuá-lo no médio prazo,  e talvez resolvê-lo a longo prazo.

É portanto do meu ponto de vista necessário encarar todas as alternativas, sem preconceitos nem demagogia e potenciar cada opção que possa contribuir, quer para aliviar a pressão sobre os combustíveis fósseis, ainda que não mantendo as emissões de CO 2  (algo que penso ser imprescindível no curto prazo, para reduzir a pressão sobre os combustíveis fósseis) mas sempre que possível com base na reciclagem e tendo em atenção o balanço energético final em energia primária, não “alinhando” em soluções miraculosas, cujo custo seja maior que o benefício quer a curto quer a médio quer a longo prazo, e sirvam para “tapar o sol com a peneira”, quer para diminuir o consumo energético, quer ainda e principalmente para a produção de energia por processos inteiramente limpos, que devem ser explorados ao máximo das suas capacidades por forma a minimizar a energia proveniente da queima, e as consequentes emissões de CO 2  .

Torna-se também necessário promover e apoiar a investigação nesta área, por forma a que algumas das soluções, hoje ainda insipientes, se possam vir a tornar soluções viáveis e outra possam surgir contribuindo para a solução

 

Nota: Os dados aqui apresentado relativos ao peso das diferentes energias no nosso pais, fora retirados da Caracterização Energética Nacional para o biénio 2005/2006 do Ministério da Indústria e Inovação

 

António Venâncio


Tasca das amoreiras às 19:42
Link do post | Comentar | favorito

Últimos copos

Forte da Graça - 18

Forte da Graça - 17

Forte da Graça - 16

Forte da Graça - 15

Forte da Graça - 14

Forte da Graça - 13

Forte da Graça - 12

Forte da Graça - 11

Forte da Graça - 10

Forte da Graça - 9

Adega

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


A procurar na adega

 

Blogs de Elvas

Tags

todas as tags

últ. comentários

logo que poluiçao iriam causar duas ou tres embarc...
Muito interessante. Nessa documentação há document...
Nest baluarte existio uma oficina de artesanato on...
JacintoSó agora tive oportunidade de lhe vir dizer...
VERGONHA? MAS ESSAS DUAS ALMAS PERDIDAS RONDÃO E E...
Uma cartita. Uma cartinha. Uma carta.Assim anda en...
Os piores lambe-botas são os partidos de Esquerda ...
O mundo está para os corruptos e caloteiros. Uma a...
O mundo é dos caloteiros . Uma autentica vergonha.
"Não se pode aceitar que um professor dê 20 erros ...

mais comentados

101 comentários
89 comentários
86 comentários

subscrever feeds

SAPO Blogs