Elvas sempre em primeiro

Todos os comentários que cheguem sem IP não serão publicados.
Quinta-feira, 23 de Agosto de 2012

Tudo foi de férias

 

 

 

 

Ando há uns poucos de dias sem vontade alguma de escrever seja o que for e os assuntos também não abundam para poder “dizer mal”.

Assim sendo resolvi, com assunto ou sem assunto, começar a publicar os escritos de Vitorino d’Almada sobre a história de Elvas e não só, que tive a paciência de compilar há uns anos atrás. Irei tentar publicar um todos os dias, no português original. O tamanho da letra terá que forçosamente diminuir, já que alguns só muito grandes, ou então dividirei cada escrito em duas ou três partes. Ora aqui vai o primeiro.

 

APONTAMENTOS PARA A CRÓNICA DA CIDADE DE ELVAS

 

 

INTRODUÇÃO

 

            Sabe-se pouco da história de Elvas geralmente. O povo, que devia transmitir as tradições de seus Maiores ás gerações que lhe sucediam, descuidado no oficio das armas, ou ocupado na cultura dos campos, não curou de fazê-lo, legando apenas, por excepção, aos nossos contemporâneos, uma remota ideia da entrada dos cristãos na Elvas árabe, duma das empresas de Gil Fernandes, e do cerco de 1658.

            Nós que escrevemos estas linhas desejamos saber mais alguma coisa, que o pouco que se conservara na memória do povo; mas por muito tempo ignorámos a que porta ir bater, que se nos franqueasse sem hesitações.

            Estávamos de posse, é certo, duma resenha publicada na Revista Militar, ano 1853, de alguns artigos comunicados pelo falecido professor Manuel Justino Pires, á Estreia Literária, de Coimbra, e dum folheto saído da oficina do Transtagano, historiando os sucessos de 1641.

            Isto estava longe de satisfazermos. As velhas crónicas não apareciam no mercado, e ainda quando aparecessem, custariam bom dinheiro; os manuscritos estavam velados como um mistério, em mãos de pessoas, que os estimavam demais para empresta-los a um qualquer, que podia trata-los com menos cuidado, que o que eles mereciam.

            E os nossos desejos recresciam com a idade.

            Quis então o acaso, que nos encontrasse-mos, no primeiro quartel de 1871, com o velho Francisco de Paula Oliveira, noviço que foi no convento de S. Paulo, e conhecido agora na cidade por frei Catimbarro, um dos homens, que temos conhecido, mais amigo de coleccionar apontamentos sobre as antiguidades de nossa pátria comum, e menos cioso de empresta-los a quem lhos pede com interesse; franqueza esta, que tem ocasionado sumirem-se-lhe alguns, provavelmente para nunca mais lhe serem restituídos.

            Anuindo ao nosso pedido, franqueou-nos a pouco e pouco tudo o que tinha, que quase era tudo o que existia de mais interessante sobre o assumpto.

            Foi desde então, que começámos a ter noticias seguras e desenvolvidas da antiga e moderna Elvas, porque Francisco de Paula teve desde rapaz a paciência de copiar todas as memórias que lhe chegaram á mão.

            É certo, que naqueles manuscritos se embrulham uns com outros séculos, e aparecem  em desalinho uns com outros acontecimentos; porque o coleccionador aproveitou por fim os claros das noticias para apontar outras, á falta de papel, e de dinheiro para o comprar; não podemos contudo negar, que este trabalho material nos foi de grande proveito; porquanto, á falta das crónicas, e dos demais livros e documentos originais, ele nos apresentava a copia, ou o extracto, aguçando-nos  cada vez mais o gosto de procurar completa-lo com Maior desenvolvimento.

            Por este tempo, munidos duma grande cópia de esclarecimentos, começámos a entreter algumas correspondências noticiosas para o Diário Ilustrado, mais com intento de fazer conhecida a historia de Elvas, que vangloriado pelo titulo de colaborador de um jornal daquele importância.

            Estas correspondências abriram-nos de par em par os arquivos dos coleccionadores, e assim devemos ao Sr. major Silva Mata, além de alguns outros papéis avulsos, um extracto do Teatro Histórico, que escreveu o cónego Aires Varela, e os Anais de Elvas, metodicamente coligidos por seu pai, de que uma parte saiu na Voz do Alentejo, e a mais interessante ficou inédita; ao falecimento do professor Manuel Justino Pires um livro manuscrito de Afonso da Gama Palha, contendo o dito Teatro Histórico de Varela, e uma memória dos sucessos de guerra da Liga; ao Sr. Miguel Augusto César de Vasconcelos dois volumes escritos por João Eliseu Viegas, vereador  e muitos anos escrivão da Câmara; e ao Sr. Caetano José Lobo de Vasconcelos outros dois livros da mesma proveniência: nos quase quatro se transcreviam alguns dos mais curiosos documentos do cartório municipal; a Maior parte porem do seu conteúdo já havia sido copiada deles por Francisco de Paula, e portanto existia em nossa mão.

(continua)

 

Nota - Se acharem que não interessa, digam. 

 

Jacinto César


Tasca das amoreiras às 16:41
Link do post | Comentar | favorito
1 comentário:
De Guy Augusto a 20 de Abril de 2019 às 22:28

Muito interessante. Nessa documentação há documentos musicais, por exemplo, do Theatro Histórico de Varela?
Muito obrigado


Comentar post

Últimos copos

Forte da Graça - 18

Forte da Graça - 17

Forte da Graça - 16

Forte da Graça - 15

Forte da Graça - 14

Forte da Graça - 13

Forte da Graça - 12

Forte da Graça - 11

Forte da Graça - 10

Forte da Graça - 9

Adega

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


A procurar na adega

 

Blogs de Elvas

Tags

todas as tags

últ. comentários

logo que poluiçao iriam causar duas ou tres embarc...
Muito interessante. Nessa documentação há document...
Nest baluarte existio uma oficina de artesanato on...
JacintoSó agora tive oportunidade de lhe vir dizer...
VERGONHA? MAS ESSAS DUAS ALMAS PERDIDAS RONDÃO E E...
Uma cartita. Uma cartinha. Uma carta.Assim anda en...
Os piores lambe-botas são os partidos de Esquerda ...
O mundo está para os corruptos e caloteiros. Uma a...
O mundo é dos caloteiros . Uma autentica vergonha.
"Não se pode aceitar que um professor dê 20 erros ...

mais comentados

101 comentários
89 comentários
86 comentários

subscrever feeds

SAPO Blogs