Elvas sempre em primeiro

Todos os comentários que cheguem sem IP não serão publicados.
Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2009

Não compreendo!

Não era para sair isto que vou escrever, mas atendendo aos comentários que ontem aqui foram feitos, sou obrigado a escrever sobre o que se passa actualmente em Elvas.

 

Começo já por mim e pela minha família em relação ao emprego. A minha situação é conhecida da maioria: sou filho de pessoas pobres, estudei à custa deles (que quiseram que os filhos fossem um pouco mais do que eles foram), fiz pela vida, nunca me aproveitei JAMAIS dos meus conhecimentos para arranjar um tacho e cheguei aos dias de hoje com 32 anos de trabalho sem fortuna alguma a não ser o que ganho. Se outros não fizeram o mesmo foi porque não quiseram ou foram capazes. O meu filho estudou até que quis e como não arranjou qualquer trabalho por cá, foi até à Alemanha fazê-lo. A minha filha continua por cá, de trabalho em trabalho, com o ordenado mínimo. NUNCA pedi nada a NINGUÉM por eles. Podia tê-lo feito, mas não, e não estou arrependido. Talvez por isso e por outras coisas posso andar com a “espinha direita e de cabeça levantada”. Portanto, por aqui ninguém me pode pegar e convido qualquer um a desmenti-lo (alguns gostariam mesmo que algum dia tivesse “metido a pata na poça” para agora me o poderem atirar à cara). Espero não ter que voltar a por a minha vida a nu.

 

Dito isto, vamos ao que interessa.

Acredito que haja pessoas que gostem tanto de Elvas como eu. Não acredito que haja quem goste mais que eu. Por Elvas era capaz de fazer aquilo que nunca fiz por mim ou pelos meus: era capaz de pedir e de “joelhos” se fosse necessário. Assim os meus conhecimentos fossem capazes de fazer qualquer coisa pela nossa cidade. Infelizmente não são assim tão poderosos.

Conheço muito bem a cidade e os seus múltiplos problemas, assim como as pessoas que de um modo ou outro vão tentando resolvê-los. Será de verdade uma grande tarefa, já que os tempos por que estamos passando e os que aí vêm não irão ser fáceis.

O problema maior e que afecta mais as pessoas é sem dúvida alguma a falta de empregos. Mas como arranjá-los? Eu não sei! E será que alguém sabe? Será que alguém tem uma varinha mágica que os crie assim de um dia para o outro?

 

Está mais que claro que ninguém me passou procuração para defender quem quer que seja que se encontre actualmente a presidir aos destinos da cidade. Presumo que essas pessoas são capazes de o fazer. Agora há uma pergunta que gostava de colocar a todos: será que quem está no poder agora não fará tudo o que possa estar ao seu alcance para resolver tamanho problema? Agora faço a pergunta de outra maneira: será que se a “oposição” tivesse ganho conseguiria atrair para Elvas esses tão necessários postos de trabalho? Haverá por acaso aí alguém que responda a esta pergunta?

 

Vejamos agora as coisas por outro ponto de vista. Sabemos que a situação económica do país não é brilhante, antes pelo contrário. As causas são sobejamente conhecidas. Assim sendo, não seria do interesse da cidade, que todos os que pudessem contribuir para resolver esta grave situação unissem esforços para ao menos tentar melhorar a vida dos que mais necessitam? Bom seria, mas não! O gozo supremo de alguns é viverem na esperança que o barco bata mesmo no fundo e se afogue toda a gente para depois poderem dizer que se estivessem ao comando da nau esta jamais se afundaria. É a demência total dos que pensam que todos os outros é que são dementes. Todos são burros, excepto meia dúzia de iluminados que são donos da verdade e da razão.

 

Como cidadão sinto-me triste. Como elvense ainda mais. Serei talvez inocente. Serei talvez burro. Mas será que o são quase todos?

Costuma a voz popular fazer as seguintes perguntas:

- Já alguém viu um burro admitir que é burro?

- Já alguém viu um bêbado admitir que está com os copos?

 

Pois bem, eu sou hipócrita, eu sou um burguês, não tenho lucidez, sou um carneiro e mais alguma coisa que queira dizer. E os meus amigos, já se olharam ao espelho alguma vez?

 

Para terminar, volto a dizer aquilo que já disse um sem número de vezes. Eu tenho as minhas ideias. Por muito más que sejam exponho-as e assino-as por baixo. Os que mais mal dizem de mim fazem-no debaixo da máscara do anonimato. Porque será? Mas fiquem descansados que não vos corto o pio como muito bem poderia fazer. A isto chama-se autoridade moral! Estou sempre ao vosso dispor!

 

Jacinto César

 


Tasca das amoreiras às 01:32
Link do post | Comentar | Ver comentários (6) | favorito
Quinta-feira, 10 de Dezembro de 2009

Como gostava eu de ver isto num jornal de manhã!

 

Andava eu a ver velharias que tenho por aqui e encontrei esta preciosidade. Não pelo jornal em si, mas pelo conteúdo da sua primeira página.

Como ficaria contente se amanhã pela manhã deparasse com os jornais com um conteúdo parecido. Parece que toda a gente anda anestesiada e não vê o que se passa à sua volta. Eu acredito que o poder vai cair: a bem ou a mal, mas vai cair. Acredito que há gente capaz de alterar a situação. Acredito que há por aí gente com coragem de dizer “Basta”! Ainda acredito que há por aí bons portugueses.

 

PS – Tal como há muitos e maus portugueses, elvenses de muita má qualidade também os há por aí aos montes. Como é que um verdadeiro elvense pode ficar satisfeito porque a prisão não se constrói em Vila Fernando? Como é que se pode ficar feliz porque esta ou aquela empresa que estava para vir para Elvas, não veio? Como é que é possível que para se poder dizer que politicamente se tinha razão se deseje o mal dos seus concidadãos? Só mentes perversas e mesquinhas podem sentir tal felicidade. Só atrasados mentais e mentecaptos podem pensar desta maneira. Mais, penso que alguns não se importariam que Elvas se afundasse em troca de uma “medalha” política. Para esta “gente” o meu desprezo total.

 

Jacinto César   

 


Tasca das amoreiras às 00:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (8) | favorito
Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2009

Tal como hoje

Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora,  aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias,  sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice,  pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional,  reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta.

Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira à falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro. 

Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente,  tornado absoluto pela abdicação unânime do País. 

A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas.  

Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar.

 

Não, este palavreado não é da minha lavra, mas de alguém que não sendo adivinho previu o que se iria passar uns “anitos” depois. As palavras foram escritas em 1896 e o seu autor foi Guerra Junqueiro. A história repete-se e nós não aprendemos nada.

 

Jacinto César

 


Tasca das amoreiras às 00:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 8 de Dezembro de 2009

A Cimeira de Copenhaga

A 18 de Junho deste ano escrevi aqui sobre um assunto que interessa a todos (http://tascadasamoreiras.blogs.sapo.pt/146309.html) a propósito de um documentário que tinha visto na televisão e que posteriormente adquiri, e de seu nome, “HOME”. Tal como dizia então, a saúde do planeta diz respeito a todos nós e não só aos outros.

Pois bem, começou hoje em Copenhaga a cimeira de países que em princípio irão assinar (?) um protocolo que irá substituir o de Quioto. Sou um pessimista nestas coisas, pois entendo que todo este cenário não passa de uma hipocrisia, pois basta ver o que aconteceu com o que vai caducar. Os países mais desenvolvidos e ricos nunca o cumpriram e não irão cumprir este. Todos falam que é necessário fazer qualquer coisa, mas pouco o fazem. Veja-se o que os países mais poderosos fazem ao comprar as cotas de CO e CO2 aos países mais pobres e como tal pouco poluentes.

E porque acontece tudo isto? Porque os interesses económicos se vão sobrepondo sempre ao interesse comum.

Olhemos para o que se passa no nosso país. Actualmente continuamos a comprar cotas de CO2 a países africanos, pois não há maneira de baixar as nossas. Há que dar aqui uma palavra de apreço ao governo português pelos esforços que tem vindo a fazer, e bem, no aumento substancial da produção de energia por processos não poluentes. De notar que neste campo andamos no pelotão da frente em relação à percentagem de energia obtida a partir de sistemas de energias renováveis (fotovoltaica e eólica). Espero que cumpram também em relação à comercialização dos veículos eléctricos sem impostos lá para o final do ano que vem. Eu vou esperar para ver.

Entretanto, temos que ser nós e dentro das possibilidades de cada um, se não a melhorar, pelo menos a não ajudar a estragar mais ainda. Para tal basta ir fazendo aquilo que até os miúdos das escolas primárias já sabem: a separação dos lixos domésticos, o não meter no lixo pilhas e lâmpadas, o poupar água e outras coisas que sendo simples, nos vamos esquecendo de fazer.

Quem quiser manter-se actualizado sobre o assunto, deixo aqui um link importante patrocinado palas Nações Unidas.

(http://unfccc.int/portal_espanol/items/3093.php)

 

Jacinto César

 


Tasca das amoreiras às 00:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (6) | favorito
Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009

E a farra continua!

Já sei que para muitos continuo a minha campanha contra o governo e principalmente contra o 1º ministro por causa de querer avaliar os professores. Cada um fica com a sua.

Para os menos cépticos e que andam com os olhos mais abertos, leiam o extracto do Diário da República que mostro a seguir e para quem pensa que estou a inventar segue também o link do DR completo.

 

                 

http://dre.pt/pdf2sdip/2009/11/230000000/4838848388.pdf

Eu não sei se alguém ainda tem dúvidas da grande farra que se vive no nosso país. Eu não tenho dúvidas nenhumas e o problema é que ninguém faz nada para acabar com isto.

Infelizmente e para meu desgosto, Portugal está de “pantanas”  

Para os cépticos, continuem a fingir que nada vêem e assim sempre dormem melhor.

 

Jacinto César

 


Tasca das amoreiras às 00:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (14) | favorito
Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2009

E viva a Itália!

Não, não são vivas ao futebol italiano. São VIVAS AO POVO ITALIANO!

Não é novidade para ninguém de qual é a proveniência do adjectivo “mafioso”. Não é novidade para ninguém o facto de a Itália sempre ter sido confundida com a Máfia e vice-versa. Também não é novidade que a Itália tem, e sempre teve, políticos, industriais e gestores ligados à dita organização. Lembremo-nos de Bettino Craxi e Julio Andreotti, socialista e democrata cristão respectivamente.

Nós por cá não estamos pior servidos de políticos, gestores e gente tal, antes pelo contrário. É ler os jornais e ver as televisões.

Então porque grito eu um viva à Itália? É que por lá ou fogem, ou vão de “cana” e o povo manifesta-se e revolta-se contra o sistema. E por cá? Mansos como sempre. Calados que nem ratos. Fazemos o mesmo que os avestruzes: metemos a cabeça no buraco.

Quando é que abrimos os olhos? Quando é que gritamos “Basta!”? Quando é que perdemos a vergonha e ganhamos coragem para fazer o mesmo que os italianos?

Não tenho pretensões algumas a ser herói, porque como se costuma dizer, mais vale um cobarde vivo que um herói morto. No entanto ainda vou falando e protestando de cara destapada. E você caro leitor, não quer fazer o mesmo?

 

Jacinto César

 


Tasca das amoreiras às 19:34
Link do post | Comentar | favorito
Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2009

Quem o viu e quem o vê, ou a longa agonia do PSD

Como a maior parte dos leitores sabem, nunca fui “chegado” ao PPD/PSD, no entanto reconheço que o partido tem que ser forte na democracia que temos.

Como já não sou propriamente uma criança, recordo-me com algum saudosismo, do antigo PPD de Sá Carneiro e do CDS de Freitas do Amaral. A pujança destes partidos foi fundamental para a estabilização da democracia em Portugal e o carisma dos seus líderes transmitia-nos confiança e “conforto”. É também indiscutível que nesses tempos “gloriosos” do PREC o Partido Socialista também foi fundamental na “batalha” contra a vermelhidão que à força nos queria dominar. Mas detenhamo-nos no PSD.

Todos sabemos que a perca do seu líder nesses tempos foi trágica para o partido e que nunca mais se endireitou até Cavaco Silva ter chegado ao poder, tendo passado por momentos conturbados, mas nada parecidos com o que actualmente se passa. É a morte lenta.

A sucessão de líderes em tão pouco tempo tem provocado guerras intestinas nunca vistas e mesmo inimagináveis. A guerra pelo poder é cada vez mais feroz e os “barões” assistem ao festim com um ar de quem não é culpado de nada. Viram a cara para o lado e assobiam como se nada tivesse a ver com eles, quando em minha opinião, têm sido precisamente estes os grandes culpados. Eles não estão no poder, mas continuam a ter mais poder que os próprios líderes têm. Vão corroendo o partido por dentro até à destruição. Por vezes até dão a sensação de estarem enfeudados ao PS e ao PP. Estes últimos por si só, não conseguiriam fazer melhor “serviço”.

Quando vejo os comentários feitos por Marcelo Rebelo de Sousa na RTP, vejo nele uma pessoa que tem tanto de inteligência como de hipócrita. Ele bem vai empurrando para a fogueira este ou aquele conforme as conveniências, mas sempre pronto para o assalto, o que, se de facto vier a acontecer, será um regresso ao passado.

Toda esta situação para mim é preocupante, já que acredito que não passaremos muito tempo sem eleições antecipadas e os principais beneficiários serão o PS e o PP.

A subida desmesurada destes dois últimos em futuros actos eleitorais não será muito benéfica porque de modo algum convém que o PS volte às maiorias absolutas e o PP não tem quadros em quantidade para suportar uma subida significativa de eleitorado.

Os tempos que se vizinham para o PSD são trágicos na minha perspectiva, e não se vê uma luz ao fundo do túnel da estabilidade. Vai ser um grande enterro e um enterro em grande. Vai ser o salve-se que puder. Sócrates vai rir-se daquela forma que alguns ainda se lembrarão do cão “Polgoso” que se ria com um ar cínico quando fazia uma partida a alguém. Pudera, eu se estivesse no seu lugar também me ria. O estrondo vai ser tremendo!

 

Jacinto César

 


Tasca das amoreiras às 22:13
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 2 de Dezembro de 2009

Ibero-américa, Palop’s ou UE?

Não sendo um detractor da União Europeia, não me considero um europeísta convicto. Tenho as minhas dúvidas e que cada vez são maiores. Se é indiscutível que a nossa entrada na ex-CEE foi benéfica, por vezes tenho a sensação que nos deram um chouriço em troca de um porco. Para tal sensação contribui, em muito, o estado da nossa agricultura e pescas. Se é verdade que em determinadas alturas, tanto agricultores como pescadores foram beneficiados com “esmolas” que deram durante uns tempos para fazer floreados, o que é certo é que os sectores foram destruídos. Não há agricultura, a frota pesqueira já se foi e entretanto temos que importar o que comemos. Mas somos finos, somos europeus.

A não ser com os espanhóis e um pouco com os italianos, que afinidades temos com os outros países europeus? Culturais, nenhumas! Económicas, nenhumas! Sociais, nenhumas! Quer dizer, somos europeus, mas não somos!

A pergunta que eu faço de seguida é a seguinte: não teremos nós mais afinidades com a América latina e com a África? Não deveriam ser estes em conjunto com a Espanha os nossos parceiros naturais e preferenciais? Então vejamos. O que é que podemos produzir que possamos vender à Europa e aos países emergentes da Ásia? Nada! Os primeiros produzem essencialmente tecnologia que vendem ao exterior. Os segundos produzem tão barato devido à mão-de-obra quase escrava que ninguém pode concorrer com eles. Salvo alguns sectores e que é o caso das comunicações e energias renováveis, que produzimos nós que tenha algum interesse para o ocidente desenvolvido? Nada, a não ser o sol, a praia, ou seja, o turismo.

Olhemos agora para os PALOP e para os países da América Latina. Culturalmente estão muito próximos de nós e economicamente um bom par de anos atrás. Porque não dar-lhes prioridade?

Estes países têm os recursos naturais que nós não temos e que necessitamos. Nós temos a tecnologia e o conhecimento. Ou seja, em conjunto teríamos tudo o necessário.

Quem ganha com o nosso afastamento destes países? Os EE.UU., os países asiáticos, que a pouco e pouco têm tomado o lugar de Portugal e da Espanha.

Acredito que não esteja a ver bem as coisas, mas quando olho para os negócios que Portugal tem feito com a Venezuela, penso que poderíamos alargar este tipo de colaboração.

Europa sim, mas com muita precaução e sem perder nunca de vista os outros blocos.

 

Jacinto César

 

 


Tasca das amoreiras às 20:53
Link do post | Comentar | Ver comentários (7) | favorito
Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009

Declaração

Eu, Jacinto Júlio Nozes César, Sócio nº 98197 do Sport Lisboa e Benfica, declara que a partir de hoje abdica da sua condição de sócio do referido clube e vai aderir ao Sporting Clube de Portugal.

 

Bem, não pensem que esta minha atitude se deve aos resultados desportivos. Não, não tem nada a ver com isso. Tem a ver com a coragem deste clube em não permitir que os casais homossexuais tenham os mesmo direitos que os que têm os verdadeiros casais.

Jamais me tinha passado pela cabeça ter que admitir que o Sporting fosse em qualquer coisa melhor que o Benfica, mas tenho que dar a mão à palmatória. Desta vez venceram o Benfica em toda a linha. Sei que é um grande sacrifício da minha parte e talvez uma traição, mas tive que alinhar com o inimigo.

 

Nota – Esta minha posição não é definitiva, pois espero que o meu clube de coração opte por copiar o adversário.

Ah valentes lagartos!

 

Jacinto César

 


Tasca das amoreiras às 00:51
Link do post | Comentar | Ver comentários (14) | favorito

Últimos copos

Forte da Graça - 18

Forte da Graça - 17

Forte da Graça - 16

Forte da Graça - 15

Forte da Graça - 14

Forte da Graça - 13

Forte da Graça - 12

Forte da Graça - 11

Forte da Graça - 10

Forte da Graça - 9

Adega

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


A procurar na adega

 

Blogs de Elvas

Tags

todas as tags

últ. comentários

Nest baluarte existio uma oficina de artesanato on...
JacintoSó agora tive oportunidade de lhe vir dizer...
VERGONHA? MAS ESSAS DUAS ALMAS PERDIDAS RONDÃO E E...
Uma cartita. Uma cartinha. Uma carta.Assim anda en...
Os piores lambe-botas são os partidos de Esquerda ...
O mundo está para os corruptos e caloteiros. Uma a...
O mundo é dos caloteiros . Uma autentica vergonha.
"Não se pode aceitar que um professor dê 20 erros ...
penso k será pior dizer k ñ tem pais!ou k ñ sabe k...

mais comentados

101 comentários
89 comentários
86 comentários

subscrever feeds

SAPO Blogs