Elvas sempre em primeiro

Todos os comentários que cheguem sem IP não serão publicados.
Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009

Eleições

Uma análise

 

Factos

1-                      39, 4% de abstenção; 1,31 votos nulos; 1,7% votos brancos; Total 42,46%

       O que se traduz em 57,54% de eleitores votando em partidos políticos.

2-               

PS                                  36,56%

PSD                               29,09%

CDS                               10,46%

BE                                  9,85%

PCP/PEV                      7,88%

      3 No distrito de Portalegre o PSD elege um Deputado pela primeira vez desde que a representação parlamentar do distrito foi reduzida a dois deputados, retirando um deputado ao PS (fonte Pag. RTPhttp://ww1.rtp.pt/noticias/eleicoes/ legislativas 2009/index.php  28/09/2009 10h 52m)

 

A primeira conclusão a retirar dos resultados apresentados, e que a meu ver deve ser motivo de reflexão para toda a Classe Política, prende-se com o desencanto dos eleitores relativamente a esta classe. De notar que apenas 57,54% dos eleitores inscritos, se manifestam expressamente por um partido, seja ele qual for, os restantes 42,46% mostram claramente o seu desagrado relativamente a todos eles, quer através da abstenção quer através do voto nulo ou branco, e ganham indiscutivelmente as eleições com uma maioria tão confortável que, a ter representação parlamentar, dependendo da distribuição por círculos, poderia significar a maioria absoluta na Assembleia da República. Se a estes factos acrescentarmos que, muitos dos que fomos votar e o  fizemos num partido, entre os quais me incluo, não o fizemos como manifestação de apoio convicto a um partido, mas apenas como escolha do mal menor teremos que concluir que o apoio real a qualquer dos partidos é escasso. Posto isto, não serve a qualquer partido “embandeirar em arco” pois não houve nenhuma vitória. Perdeu a democracia. Torna-se pois urgente que todos os partidos, e a sociedade Portuguesa reflictam sobre estes resultados.

 

Analisemos os resultados individuais de cada partido:

O PCP/PEV demonstra indiscutivelmente ser uma força política com um eleitorado de há muito consolidado, mantém-se igual a si mesma e não tem, na nossa sociedade, capacidade para melhorar os seus resultados, no entanto, também não é espectável que, a manter as políticas que tem seguido, venha a perder representatividade, os 7,88% de votantes que obteve, e que representam 4,53% dos eleitores inscritos, são um eleitorado fiel. Até aqui nada de novo.

O BE duplica o número de deputados, capitalizando uma parte do descontentamento do PS, mas falha dois dos seus objectivos, não consegue ser a terceira força parlamentar, ficando pelos 9,85% de votantes que correspondem a 5,67% dos eleitores inscritos, e não consegue um número de deputados suficientes para influenciar decisivamente o próximo governo, pois dependerá sempre de um terceiro partido para formar maioria parlamentar com o PS. Os “tiros no pé” dados no programa e na campanha e a desilusão dos debates televisivos terão contribuído definitivamente para este resultado. Certo é que, para fazer deslocar para a esquerda a governação socialista, será necessário um acordo tripartido entre PS, BE e PCP/PEV o que se me afigura difícil e altamente perigosa para o próprio BE que verá reduzido o seu espaço entre os dois partidos.

 O CDS com 10,46% dos votantes, correspondentes a 6,02% dos eleitores inscritos, torna-se a terceira força política na Assembleia da República, o número de Deputados eleitos coloca-o numa posição de força no actual espectro parlamentar, ao permitir formar maioria com o PS, quer através de uma coligação, quer através de acordos pontuais. Esta força será tanto maior quanto menor for a possibilidade de entendimentos tripartidos há esquerda e quanto mais se estremarem as posições entre PS e PSD o que acho uma hipótese bastante plausível. Por tudo isto o CDS e Paulo Portas, vão certamente ter, nos próximos tempos um poder superior ao que os resultados poderiam deixar supor.

O PSD com 29,09% dos votantes que correspondem a 16,74%, fruto de uma campanha que não o foi e de uma liderança com notória dificuldade em unir o partido e chegar á população, desperdiçou uma oportunidade única de se tornar na maior força parlamentar. Forçosamente terá que repensar a estratégia e eventualmente a liderança e esperar por melhores dias. Não creio que venha a contribuir para uma solução tipo bloco central, podendo no entanto, em situações pontuais, contribuir para aprovar algumas medidas, ou para alterar outras. Esperemos para ver.

O PS com os seus 36,56% dos votantes que representam 21,04% dos eleitores inscritos, tem uma vitória com sabor a derrota. Não consegue congregar um quarto dos eleitores portugueses, o que significa que mais de três quartos destes não acreditam nas suas propostas, perde a maioria absoluta, vendo-se forçado a procurar apoios parlamentares para poder fazer passar, desde o programa ao orçamento, passando por todos os outros diplomas que necessitem passar pela Assembleia. A principal derrota, é mesmo da arrogância e da prepotência com que conduziu a sua política nos últimos quatro anos. Não será fácil a uma personalidade como a do Primeiro-Ministro ter que encontrar estes acordos. Mudanças de orientação política esperam-se em função desses acordos.

Outro grande derrotado nestas eleições, foram mais uma vez as sondagens e projecções.

Mais uma vez, excepção feita para os resultados do PCP/PEV, quer umas, quer outras apontavam um resultado para o PS que dificilmente atingiu a margem mínima ficando muito aquém do número de mandatos que lhe foi atribuído durante mais de uma hora e que lhe permitiria formar maioria com qualquer partido, um resultado para o PSD que se veio a situar no limite superior, ultrapassando mesmo este limite no caso das projecções, um resultado para o BE que o colocava à frente do CDS, com terceira força política, contrariamente ao que se veio a verificar e com uma diferença não desprezável de cinco mandatos, a diferença entre formar maioria com o PS ou não formar. Tendencioso? Não sei, no entanto acho estranho que as sondagens “errem”sistematicamente no mesmo sentido.

Uma nota final, o objectivo que aqui defendi várias vezes neste blog, retirar um Deputado ao PS no Distrito de Portalegre, e, desta forma, contribuir se não para a derrota pelo menos para a retirada da maioria absoluta a José Sócrates, foi atingido como reconhecimento de muitos eleitores dos prejuízos que o governo PS trouxe a este Distrito.

 

António Venâncio

 

 

 

 


Tasca das amoreiras às 16:04
Link do post | Comentar | favorito
6 comentários:
De Anónimo a 28 de Setembro de 2009 às 16:47
Ah, grande Venâncio!
Já tínhamos saudades suas e do seu pensamento fluido e claro.
Boa!
Estava capaz de lhe dar aí uns... 18 valores em objectividade.
Tenho, insistentemente, uma grande dúvida:
- Se tem sido cabeça de lista por um partideco minhoca, será que seria capaz de ter mais votos do que o professor César teve?
Eheheheheheheheheheh

 


De Tasca das amoreiras a 28 de Setembro de 2009 às 16:54
Croa Anónimo
Repondolhe com uma quadra de Ant+onio Aleixo

“Ris-te de Mim eu de ti


Não me sei rir nem preciso


Quem tem juízo não ri.


Dos que não têm juízo”


 


Publicado por


António Venâncio




De Anónimo a 28 de Setembro de 2009 às 17:23
Não, senhor professor Venâncio!
A quadra escrita por si não é de António Aleixo.
O poeta Aleixo sabia escrever "riste".
O senhor professor do ensino secundário engenheiro António Venância, lamentavelmente, escreveu "ris-te".
O que é muito grave.
Com exemplos destes, como tentar espalhar a ideia que a avaliação de professores é para acabar, como populistamente propos Francisco Louçâ na noite passada.


De Tasca das amoreiras a 29 de Setembro de 2009 às 12:45

Caro Anónimo Erudito


 


Está enganado, não é pretérito perfeito mas presente do indicativo na forma reflexiva. Na verdade, porque citei de cor, cometi um erro, mas não o que refere. É que eu sabia que o primeiro verso se encontrava no presente do indicativo, apenas não era na forma reflexiva, deixo aqui a correcção:


“Ris de mim, e eu de ti


Não me sei rir nem preciso


Quem tem juízo não ri


Dos que não têm juízo”


                        (António Aleixo)


Já agora uma informação, quando refere no seu comentário “o poeta Aleixo sabia escrever” também não está totalmente correcto António Aleixo “pouco menos era que meio analfabeto” conforme consta do prefácio “Actualidade viva de um poeta morto” escrito pelo Dr. Joaquim Magalhães, no livro “Este livro que vos deixo…” tendo muita dificuldade em escrever.


Ao Dr. Luís Magalhães, professor do ensino secundário e amigo íntimo do Poeta, devemos o facto de ter coligido as suas quadra, a escrita de muitas que ele apenas verbalizava, a correcção de muitas outras.


O próprio poeta lhe agradeceu o facto dedicando-lhe a quadra seguinte.


“Não há nenhum milionário


Que seja feliz como eu:


Tenho com secretário


Um professor de liceu”


                        (António Aleixo)


 


António Venâncio



De Tasca das amoreiras a 28 de Setembro de 2009 às 17:03

Caros comentadores


 


Por favor não me atormente o juízo mais do que ele já está.


Estou desolado com o meu resultado eleitoral, mas a culpa é toda do Tiago Abreu que andou a fazer campanha contra mim.


Por favor, eu já era um complexado e daí ao suicídio vai um passo. Poupem-me por favor.


Juro que nunca mais vou dizer mal de ninguém nem de nada, mas por favor não me atormentem mais. Mas para me penitenciar vou colocar uma fotografia do Tiago em todas as divisões da minha casa. Poupem-me é o apelo que vos faço.


 


Jacinto César



De Anónimo a 28 de Setembro de 2009 às 17:51
Vou-lhe dar uma consulta completamente gratuita. É minha opinião que o sr tem um problema do foro psicológico que denomina "transferência". Tenho seguido o seu blog, e os seus escritos, e tudo o que lhe acontece o sr transfere para um tal Tiago Abreu. Tente perceber que existe uma causa-efeito. Temos que assumir a "retribuição" com valor e esperança de não repetirmos os mesmos erros. Consulte um colega com brevidade.
Juro que não sou esse Tiago Abreu, para quem, normalmente,  o sr transfere o que não lhe agrada.


Comentar post

Últimos copos

Forte da Graça - 18

Forte da Graça - 17

Forte da Graça - 16

Forte da Graça - 15

Forte da Graça - 14

Forte da Graça - 13

Forte da Graça - 12

Forte da Graça - 11

Forte da Graça - 10

Forte da Graça - 9

Adega

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


A procurar na adega

 

Blogs de Elvas

Tags

todas as tags

últ. comentários

logo que poluiçao iriam causar duas ou tres embarc...
Muito interessante. Nessa documentação há document...
Nest baluarte existio uma oficina de artesanato on...
JacintoSó agora tive oportunidade de lhe vir dizer...
VERGONHA? MAS ESSAS DUAS ALMAS PERDIDAS RONDÃO E E...
Uma cartita. Uma cartinha. Uma carta.Assim anda en...
Os piores lambe-botas são os partidos de Esquerda ...
O mundo está para os corruptos e caloteiros. Uma a...
O mundo é dos caloteiros . Uma autentica vergonha.
"Não se pode aceitar que um professor dê 20 erros ...

mais comentados

101 comentários
89 comentários
86 comentários

subscrever feeds

SAPO Blogs