Elvas sempre em primeiro

Todos os comentários que cheguem sem IP não serão publicados.
Terça-feira, 25 de Setembro de 2007

A propósito de … Educação 2

O período pós 25 de Abril

Para os que se lembram deste período, fosse na condição em que fosse, devem recordar-se ainda o que foi a Educação e o Sistema educativo na altura.

Poucas serão sempre as palavras para descrever o que se passou nesses “gloriosos anos” nas escolas e universidades portuguesas. Foi aquilo que na gíria se pode dizer o “regabofe total”. Valeu tudo.

Mas recordemos: no pós 25 de Abril a Escola abriu-se a toda a sociedade, ou por outras palavras, massificou-se. Só que as condições existentes na altura eram muito carentes em todos os aspectos: as Escolas não tinham instalações, não tinham professores, não tinham meios materiais e tinham alunos de sobra. Era o caos! As salas chegavam a comportar 40 e 50 alunos: sentados nas carteiras que havia, no chão ou então de pé. Há falta de melhor construíam-se barracões provisórios que por vezes era o mesmo que estar na rua. Material pedagógico nem vê-lo. Programas existiam os antigos que foram sendo alterados e adaptados aos tempos que corriam. Como não podia de deixar de ser (a política, sempre a política) uns professores cumpriam-nos, outros não. Novos programas, novos conteúdos a cada (des)governo. Como estes eram de curta duração é bom de ver o que acontecia. Se o professor era “canhoto” os temas leccionados pendiam sempre para a análise e discussão das sociedades ditas “de democracia popular e avançada” e a palavra fascista era dita e redita um sem número de vezes. O progressismo, a reforma agrária, as ocupações e nacionalizações eram temas recorrentes. Se o professor era “destro” a conversa era exactamente a contrária, sendo que o adjectivo “comuna” era o mais utilizado.

Resultado de toda esta caldeirada foi, e não podia deixar de ser, as passagens administrativas, ou seja, passava toda a gente.

Para colmatar a falta de professores o sistema não foi de intrigas, e fez professores de toda a gente. Alunos que acabavam o 7º ano num ano, no ano seguinte estavam feitos professores de matérias que como toda a gente pode calcular, estavam “preparadíssimos”. Era uma festa para todos e um caos total.  Era o tu cá tu lá entre os professores e os alunos, a amena cavaqueira das aulas entre duas cigarradas, era eu sei cá que mais. Uma coisa era certa: toda a minha gente andava satisfeita: os professores passaram de repente a ganhar mais, os alunos estudavam menos e os pais contentes de verem os filhos passar de ano.

Depois inventou-se o serviço cívico para entreter a rapaziada mais um ano longe da universidade que passava um mau bocado devidos às mesmas circunstâncias. Finalmente lá se seguia invariavelmente a caminho de Lisboa ou de Coimbra. Por estas paragens o ambiente não era melhor. O faz que faz continuava, umas cadeiras feitas sabe-se lá como, outras compradas, outras conseguidas à custa do “cabedal” (presumo que meia palavra baste), outras até feitas pelo telefone. Era um vale tudo. De vez em quando lá se tinha que fazer mesmo a cadeira, porque o “prof” era um fascista e não dava abébias. Mas poucos professores tinham a coragem de ser exigentes, pois este era o caminho mais curto para o saneamento político. As festas eram o dia a dia. O estudar era quando Deus quisesse. E não é que não queria mesmo.

Jacinto César   


Tasca das amoreiras às 01:29
Link do post | favorito
Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Últimos copos

Forte da Graça - 18

Forte da Graça - 17

Forte da Graça - 16

Forte da Graça - 15

Forte da Graça - 14

Forte da Graça - 13

Forte da Graça - 12

Forte da Graça - 11

Forte da Graça - 10

Forte da Graça - 9

Adega

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


A procurar na adega

 

Blogs de Elvas

Tags

todas as tags

últ. comentários

Nest baluarte existio uma oficina de artesanato on...
JacintoSó agora tive oportunidade de lhe vir dizer...
VERGONHA? MAS ESSAS DUAS ALMAS PERDIDAS RONDÃO E E...
Uma cartita. Uma cartinha. Uma carta.Assim anda en...
Os piores lambe-botas são os partidos de Esquerda ...
O mundo está para os corruptos e caloteiros. Uma a...
O mundo é dos caloteiros . Uma autentica vergonha.
"Não se pode aceitar que um professor dê 20 erros ...
penso k será pior dizer k ñ tem pais!ou k ñ sabe k...

mais comentados

101 comentários
89 comentários
86 comentários

subscrever feeds

SAPO Blogs