Elvas sempre em primeiro

Todos os comentários que cheguem sem IP não serão publicados.
Domingo, 5 de Julho de 2009

Maria João Pires

Se o facto de José Saramago (de quem não gosto, nem como escritor nem como pessoa) ter a mania de unificar a Península Ibérica, já me perturbou, esta agora de Maria João Pires querer abdicar da nacionalidade portuguesa porque o Estado Português não lhe concedeu um subsídio para a seu Projecto Educativo de Belgais é de bradar aos céus?

Desde quando é que um cidadão pelo facto de estar zangado com o governo abdica da sua nacionalidade? Se o motivo fosse esse, já não havia portugueses.

Presumo então que é tique de artista ou então a senhora está a ficar louca.

À moda do Fernando Peça, “ E esta, hã ….”

 

Jacinto César

 

Aditamento

 

Caro Judeu

 

Tal como o senhor tem o trabalho de ser dos poucos que faz comentários com pés e cabeça, e de uma forma civilizada mesmo quando não concorda com o que escrevo, e que é o caso, acho que lhe devo a deferência de lhe responder no próprio post.

O meu amigo tem toda a razão no que diz e mais argumentos poderia acrescentar e eu continuaria a concordar. Agora faça-me o favor de tentar entender o meu ponto de vista. Portugal não tem culpa dos maus filhos que nos têm governado.

O meu país não tem culpa dos tamanhos desmandos que alguns dos seus cidadãos têm feito.

A nossa Nação quase milenar não é culpada de nada, mas sim os seus filhos!

 

Em resposta aos seus argumentos, poderia dizer o seguinte:

- e se Afonso Henriques não se tivesse revoltado?

- e se o Infante D. Henrique tivesse ido para Castela ou para Génova?

- e se D. Nuno Alvares Pereira não tivesse a coragem de se bater com os nossos vizinhos?

- e se a Rosa Mota se tivesse naturalizado americana?

- e se todos os de valor tivessem seguido a política do avestruz?

 

Não, mil vezes não. A minha Pátria é só uma e se essas coisas acontecem é por culpa dos que fogem e dos que calam perante as injustiças.

Não, mil vezes não. A culpa é dos não lutam e calam a voz. Lembro-lhe aqui um exemplo que todos conhecemos: Zeca Afonso.

É necessário muitas pessoas do tipo “antes morrer que quebrar”.

Não sendo um cidadão que tivesse sido prejudicado e injustiçado muitas vezes, não deixo de ter razões de queixa e é precisamente por isso que aqui estou. E é por isso que não me calo e nem me calarei.

Se não tive medo dos anos 68/69 de Coimbra, se a guerra que enfrentei durante 2 anos não me assustou, se o PREC ainda me deu mais força, não é agora que me ia embora com o “rabo entre as pernas”.

Terei muitos defeitos como toda a gente, mas há uma virtude que não me faltou nem me falta e que é o orgulho de ser PORTUGUES!

 

Jacinto César

 


Tasca das amoreiras às 18:58
Link do post | Comentar | favorito
15 comentários:
De Anónimo a 6 de Julho de 2009 às 08:51
Julgava que tinha ido ao Festival Medieval e, como grande interessado na temática do Turismo, ia comentar o evento.
Tá quieto!...


De Anónimo a 6 de Julho de 2009 às 09:53
Pode custar a alguns, mas a maioria fica contente.
São eventos como o Festival Medieval que animam a cidade e o concelho.
Para os "alguns", teve um defeito enorme e provocador de uma azia que não há meio de passar: foi organizado pela câmara.


De Anónimo a 6 de Julho de 2009 às 10:42
"Desde quando é que um cidadão pelo facto de estar zangado com o governo abdica da sua nacionalidade? Se o motivo fosse esse, já não havia portugueses."
Mais uma brilhante tirada do professor Jacinto César.
Francamente infeliz.
Facilmente evitável.
Lamentavelmente publicada.



De Anónimo a 6 de Julho de 2009 às 14:13
Senhor professor Jacinto César:
Não seria uma boa ideia dedicar um post aos pinceleiros.
Pinceleiros?
Pinceleiros são aqueles que se deixam fotografar com o pincel na mão...


De Anónimo a 6 de Julho de 2009 às 15:53
Quero,hoje e aqui,propor e fazer uma pequena reflexão sobre a notícia veiculada pelos jornais que se refere à possibilidade de Maria Jão Pires abdicar da nacionalidade portuguesa,trocando-a pela brasileira.
Quero,em primeiro lugar,fazer uma análise sobre as possíveis causas que levam esta tão ilustre portuguesa a tomar tal atitude.
Para isso devemos recuar no tempo e perguntarmo-nos por que motivo,ou motivos,outros pensadores e pessoas ilustres fizeram o mesmo.
Recordo Vieira da Silva que preferiu ser francesa e,nesse país,dar vazão à sua criatividade reconhecida mundialmente.
Quero recordar,ainda,outros que continuaram a ser portugueses mas que "abalaram para bem longe" e aí brilharam,passando a ser reconhecidos.
Penso em Jorge de Senna,penso em Saramago,penso em Eduardo Lourenço...penso em centenas de "cabeças" pensantes em todas as áreas da actividade humana que,sendo portugueses,tiveram que abandonar o país para poderem mostrar o seu real valor.
Porquê?Porquê esta debandada numa Pátria carenciada de " Homens Bons " ?
Aqui está verdadeiramente a questão que nos devemos colocar.
Não devemos estranhar que se tomem atitudes como a que Maria João Pires pensa tomar.Não devemos permitir que esta sangria continue pois,mais do que nunca,todos/os melhores fazem falta a este nosso Portugal.
Pergunto-me,agora,por que motivos isto acontece.Creio ser fácil chegar a uma conclusão:-
por cá,tem-se dado mais valor a quem muito promete e nada faz;por cá,a mediocridade tem sido o motor que impulsiona todo um povo;por cá,ser-se bom faz muita sombra a quem quer chegar ao topo sem lhe serem reconhecidas capacidades para o efeito;por cá,em vez de "excelência" tem-se preferido a "banalidade";por cá,nesta Pátria madrasta para os filhos dilectos,continuamos à espera de um D.Sebastião salvador,mas que jamais chegará "num dia de nevoeiro" - verdadeiro "flop" da história de Portugal;por cá,falsos profetas fazem as leis que os servem em vez de proporcionarem aos que têm valor os meios adequados e suficiente para nos engrandecerem.
Pensando bem,e perante a realidade que nos confronta, a Educação/Instrução continua a ser preterida por " obras megalómanas";pensando bem,a Cultura tem servido para satisfação de uma pequena elite -tantas vezes incompetente -que tomou conta do nosso destino;pensando bem,a investigação e o investimento nesta área tem sido zero;pensando bem,têm sido os pseudo-intelectuais que por inveja em não conseguirem ser "pares inter pares" vão gerindo e,infelizmente,afundando o "orgulho de ser português" e o futuro de uma nação secular.
Posso não concordar totalmente com a tomada de posição da nossa mais ilustre pianista viva mas que a compreendo,verdade seja dita,comprendo mesmo.
Lamentarei,finalmente,que por este caminho qualquer dia passemos a ser um "deserto" de ideias e ideais.
Lamentarei,acabando já,que mais ano menos ano todos os portugueses passem a querer emigrar ou a desejarem ardentemente abraçar outras nacionalidades.
Falando por mim,ainda vou tendo orgulho da nossa História,dos nossos Heróis,dos nossos feitos,da nossa criatividade,da nossa capacidade de trabalho e sofrimento.No entanto,não prometo que daqui a alguns anos,se cá andar,não venha a seguir o mesmo caminho,seguido por Vieira da Silva,Maria João Pires,Saramago,Jorge de Senna,Eduardo Lourenço e outros tantos que se encontram espalhados pelo Mundo.
Hoje,Sr.Jacinto César,não concordei totalmente consigo.

O Judeu


De JB a 6 de Julho de 2009 às 18:40
Mas é ela, Câmara, que tem mais obrigação de organizar eventos desse género, não posso conceber que alguém fique com azia conforme dizem. Em relacção ao post,, é tudo questão de dinheiro, deve pagar impostos como os outros


De Raul P. a 6 de Julho de 2009 às 15:03
Cá p´ra mim, essa senhora Maria João Pires quer é mamar. Faz cá uma falta como a fome. Se quer nacionalizar-se brasileira, força, porque o orgulho se ser Português não tem preço.
Andando, gente dessa é o que há mais.


De Anónimo a 6 de Julho de 2009 às 20:40
Pois é.Mandamos os bons embora mas fica cá a podridão.Se falamos de impostos o exemplo vem de
uma classe que todos conhecemos.É a classe mais desacreditada pela opinião pública.Paciência.Se há pessoas que pensam assim nada se pode fazer.Gostam de viver enganados.O Povo costuma dizer,albarda-se o burro à vontade do dono.


De Ando por aqui a 6 de Julho de 2009 às 15:43
Subscrevo totalmente!


De D.J. a 6 de Julho de 2009 às 20:51
Eu queria ver essa senhora actuar em Elvas, a câmara a pagar balurdios e no máximo 20 pessoas a assistir. De gargalhada.
Não existe público no Alentejo para esse tipo de cantoria.
Quem eu gostaria de ver cá era o Rei " Roberto Carlos", um mito isso sim, da música brasileira. Agora essa senhora no Brasil terá sucesso?


De Tasca das amoreiras a 6 de Julho de 2009 às 21:07
Caro DJ
O meu caro amigo é o exemplo acabado do elvense e português típicos. Cultura “pimba” é que está a dar. Não se cultive que não vale a pena.
A propósito esta Maria João não canta, é pianista. A que faz parceria com o Mário Laginha é que sim.

Jacinto César


De JB a 6 de Julho de 2009 às 23:23
Há de facto muita gente que pensa assim.
Na minha outra encarnação (há muitos anos) quando andava a estudar aí na Escola, então E.I.C.E., alguém se lembrou de trazer um cantor de ópera, foi no ginásio previamente preparado,agora calcule a risada que houve quando o sr. começou a cantar, era risada geral e uma verdadeira debandada.


De JB a 6 de Julho de 2009 às 22:29
Mas alguém ainda acredita que a pianista quer ir embora por não lhe darem oportunidades no País? Ela sabe e sabia de antemão que o País é pequeno e mesmo assim trata muito mal os seus (É um mal português).Nunca terá projecção nenhuma aqui como num grande país, mas infelizmente desta vez, trata-se ao que julgo, que ela acha ser credora do país por ter instalado uma escola de música na província, e como tal não deve pagar impostos (e deve-os) e como o fisco não tem ido nessa, diz que vai para o Brasil (onde também nacionalidade), mas nunca para ter projecção artítica que lhe falta aqui. Mas atente-se para o nº dos que saiem do país, e são muitos por não lhes darem a esses sim oportunidades no país. já o Saramago é outra coisa, haje por despeito, por o Lara não lhe ter reconhecido valor. Mas isso de valor de escritor é muito relativo, nem toda a gente gosta dele, até como pessoa


De Anónimo a 6 de Julho de 2009 às 23:53
Sr.Jacinto César

Agradeço bastante a forma cordata como se dirigiu à minha pessoa.Devo-lhe estas palavras porque actualmente se se discorda há logo milhares de ofenças.E...dizem-se muito democratas.

Quero,no entanto, lembrar-lhe algumas passagens do que escrevi:
-"posso não concordar totalmente com a tomada de posição da nossa mais ilustre pianista..."
-"lamentarei que por este caminho qualquer dia passemos a ser um deserto..."
-"falando por mim,ainda vou tendo orgulho da nossa história,dos nossos heróis..."
-etc.,etc.

Creio,relembrando estas passagens,que não pertenço ao grupo dos que abdicam.Pelo contrário,bem pelo contrário.
O que eu pretendo dizer sabe-o,não tenho dúvida,o caríssimo Jacinto César.
O que eu quero transmitir quando me permito comentar os seus escritos é muito mais profundo e importante do que parece à primeira vista.O que eu quero mostrar é o descalabro social,humano e político em que a pouco e pouco,passo a passo,nos vão mergulhando.E isto faz perder a paciência até ao mais
santo,pode ter a certeza.

Quando um dia perguntaram a um grande Homem e grande europeu -Olof Palm -o que é que ele mais gostaria de preservar no seu país,ele rapidamente
respondeu:
-"a nossa cultura,a nossa inteligência.o nosso querer.
São estes os pilares da nossa alma como Povo,do nosso progresso e do orgulho de pertencermos a uma nação solidária dentro e fora das nossas fronteiras".

É isto que eu quero e que eu gostaria que incutissem
no espírito de todos nós.Mas,infelizmente,não vejo que tal esteja a acontecer.

Por fim,concordando com os argumentos que apresentou para me responder,não posso deixar de acrescentar um aspecto que considero fundamental:
-O sangue que me corre nas veias,fruto de um multi-culturalimo e de uma universalidade abrangentes,não se dilui com facilidade.Continuo a afirmar-me Português de "quatro costados" e a reconhecer-me sem vacilação de qualquer espécie como membro orgulhoso deste nosso Portugal, o país mais antigo da Europa e a Nação mais homogénea,nascida em 1143.

Sei que nem todos gostam do que escrevo.Sei que talvez me julguem passadista ou de outros tempos.
Digo a todos que não.
Sonhei com um País justo,delirei com a liberdade.
Mas que tenho visto?
Onde está a justiça?Onde para a fraternidade?Para onde vai o saber?Como estamos de educação/instrução?E... a credibilidade!O que se passa
com ela?Para quando mais segurança?E...os mais velhos e deserdados da vida?Para quando mais e melhor para todos e não só para alguns?
Poderia estar aqui horas e horas a desfiar "lamentações"
mas sem quaisquer respostas.
Sonhei com um Mundo mais Humano porque o humanismo também corre nas minhas veias como correu nas veias de muitos que engrandeceram Portugal.

O Judeu



De Anónimo a 7 de Julho de 2009 às 16:47
Comentário apagado.


De Tasca das amoreiras a 7 de Julho de 2009 às 20:48
Confundir governo e políticos com Nação é algo que eu não entendo. Tenho muitas vezes vergonha das atitudes de muitos dos nossos políticos e com frequências acho deploráveis algumas medidas dos governos e a arrogância e a falta de sentido de serviço com que as tomam, mas o Meu País está muito acima disso, ou então teríamos que reconhecer que somos um povo de pulhas, porque todos e cada um de nós fazemos parte desta Nação chamada Portugal. Claro que, perante a adversidade há sempre duas formas de reagir, ou se enfrenta ou se foge e como diz o povo “os ratos são sempre os primeiros a abandonar o barco”

António Venâncio


Comentar post

Últimos copos

Forte da Graça - 18

Forte da Graça - 17

Forte da Graça - 16

Forte da Graça - 15

Forte da Graça - 14

Forte da Graça - 13

Forte da Graça - 12

Forte da Graça - 11

Forte da Graça - 10

Forte da Graça - 9

Adega

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Agosto 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


A procurar na adega

 

Blogs de Elvas

Tags

todas as tags

últ. comentários

logo que poluiçao iriam causar duas ou tres embarc...
Muito interessante. Nessa documentação há document...
Nest baluarte existio uma oficina de artesanato on...
JacintoSó agora tive oportunidade de lhe vir dizer...
VERGONHA? MAS ESSAS DUAS ALMAS PERDIDAS RONDÃO E E...
Uma cartita. Uma cartinha. Uma carta.Assim anda en...
Os piores lambe-botas são os partidos de Esquerda ...
O mundo está para os corruptos e caloteiros. Uma a...
O mundo é dos caloteiros . Uma autentica vergonha.
"Não se pode aceitar que um professor dê 20 erros ...

mais comentados

101 comentários
89 comentários
86 comentários

subscrever feeds

SAPO Blogs